Reportagens

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A Paróquia Nossa Senhora das Mercês ou “Igreja dos Capuchinhos”, em Curitiba (PR), é uma das paróquias que pode se orgulhar do trabalho de conscientização realizado pela equipe da pastoral do Dízimo. Evangelização constante, seriedade e transparência na aplicação dos recursos, investimento nas dimensões social e missionária, somados à uma atuante estrutura de serviços e de acolhimento são algumas das ferramentas utilizadas para fazer do dízimo das Mercês, o que podemos chamar de um caso de sucesso.

Quando assumiu a coordenação da pastoral do Dízimo na paróquia Nossa Senhora das Mercês, em Curitiba – PR, Erotides Floriani Carvalho já tinha uma boa experiência em trabalhos de pastoral. Ela e o marido, José Roberto (que cuida da parte administrativa da paróquia), já atuaram em outras comunidades. “Quando assumimos, já existia o dízimo aqui, mas era tocado mais pelo pároco, a secretária e o pessoal do CAEP (Conselho Administrativo e Econômico Paroquial). Hoje, nossa equipe é de doze pessoas, o que é um número que consideramos bom, já que a paróquia não tem capelas”, conta ela.

A caminhada de reorganização do dízimo na paróquia contou com a presença dos missionários leigos do MEAC (Missionários para Evangelização e Animação de Comunidades) Antoninho Tatto. Para se ter uma idéia de como a caminhada foi de sucesso, ela mostra um balancete dos últimos dez anos. Em janeiro de 2000, o dízimo foi de R$ 8.433.90 e em dezembro de 2009 chegou a R$ 64.612,41.

A evolução fantástica na arrecadação mostra um enorme grau de consciência dos paroquianos, fruto do trabalho que foi realizado. Ao longo desses dez anos anos, diversos missionários do MEAC estiveram na paróquia fazendo a animação missionária, corrigindo caminhos e ajudando a equipe e o povo nesse processo de evangelização.
Foi justamente na igreja das Mercês que, pela primeira vez, uma Celebração da Partilha foi transmitida ao vivo, via internet, para o mundo todo, numa celebração presidida pelo frei Alvadi com pregação do missionário Odilmar Franco.
Erotides Floriani explica, no entanto, que os resultados não aparecem do dia para a noite. “É preciso muito trabalho e verdadeira conversão ao dízimo”, comenta. Segundo ela, o segredo do sucesso é que naquela paróquia não existem mais festas, nem taxas e há um trabalho sério e consistente de evangelização sobre o dízimo. “Nós não temos vergonha de evangelizar, de contar para todos o que a Palavra de Deus fala sobre o dízimo. Depois, continuamos trabalhando para acolher a todos que se dispõem a viver essa experiência maravilhosa”, exulta. Hoje, quem chega à “Igreja dos Capuchinhos”, como também é conhecida a paróquia, se depara com uma verdadeira obra de arte. A igreja foi totalmente restaurada e a obra totalmente custeada pelo dízimo. No ano passado, foi trocado o sistema de som, no qual a paróquia investiu 170 mil reais, importando os equipamentos da Espanha. Tudo saiu também do dízimo e ofertas. Testemunho de fidelidade: Ser dizimista é praticar um ato de fidelidade, por isso a paróquia das Mercês também dá seu testemunho. “De tudo o que entra, seja dízimo, oferta ou outras arrecadações, 10 por cento é entregue na Cúria Metropolitana para o sustento da pastoral Arquidiocesana”, revela Erotides.

É por isso que o atual pároco, frei Pedro Cesário Palma reafirma a importância do dízimo. Segundo ele, “é uma forma das pessoas manifestarem sua fé em Deus, retribuindo a Ele com um pouco daquilo que de graça receberam. Também é importante porque, com o dízimo, ajudam a manter a Igreja e todas as ações que ela realiza”, confirma. Um dízimo social: A paróquia das Mercês é formada por pessoas de classe média a alta, não tem problemas de pobreza extrema, como favelas, por exemplo. Mas nem por isso a dimensão social do dízimo é relegada. A paróquia destina uma parte do seu dízimo mensal para auxiliar três paróquias irmãs. Na Vila Nossa Senhora da Luz, são destinados R$ 1000,00  para a manutenção de uma assistente social e uma auxiliar que realizam o trabalho de promoção humana. Elas mantém convênios com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, FAZ (Fundação de Ação Social) e empresas de Curitiba para a realização de cursos de capacitação profissional. “Depois de formados, essas pessoas são contratadas pelas empresas participantes ou encaminhadas para outras empresas”, conta Erotides.

Na comunidade de Nossa Senhora de Fátima, na Vila Verde, periferia de Curitiba, a Ação Social recebeu 30 computadores, com mesas e ar condicionado para montar um laboratório de informática. Em convênio com a Faculdade Positivo, é mantido um curso de informática e manutenção de computadores onde pessoas da comunidade recebem treinamento. Já a paróquia Nossa Senhora da Conceição, no município de Almirante Tamandaré (região metropolitana de Curitiba), a Ação Social das Mercês realiza um trabalho voltado às famílias carentes que são cadastradas e recebem cestas básicas e roupas. No “Natal Solidário” de 2009, foram distribuídas 600 cestas básicas, e kits contendo roupas, brinquedo e chocolate para as crianças de um a quatro anos e de mochila escolar, brinquedo, chocolate e um livro de literatura infantil para os de cinco a 10 anos. Sabendo do trabalho que a paróquia realiza, uma livraria da cidade doou 300 livros infantis e um supermercado forneceu as cestas básicas pela metade do preço. Transparência e atendimento: Com mais pessoas se inscrevendo como dizimistas, a participação na paróquia também aumentou. Com isso, o serviço de secretaria precisou ser melhorado. Hoje, são três secretárias paroquiais que atendem de segunda a segunda. “Aos domingos, também há expediente na secretaria que funciona nos horários de missa”, explica Erotides.

Mais dizimistas contribuindo, mais gente participando e, portanto, enorme responsabilidade para quem administra os bens da comunidade. Um dos compromissos cumprido à risca é a transparência na prestação de contas, feita mensalmente e publicada no jornal “O Capuchinho” que circula com seis mil exemplares/mês e no site da paróquia: www.ocapuchinho.com.br

Mas não são somente os paroquianos que procuram a paróquia. A Igreja das Mercês recebe gente de todo o Estado e também de turistas que visitam Curitiba. Lá, as pessoas têm a certeza de que sempre haverá um frei à disposição para atender confissões, orientação espiritual e fazer a benção dos veículos.
Além disso, atualmente 12 psicólogos atendem diariamente, com hora marcada, a quem precisa de orientação profissional. Nas quintas-feiras, há atendimento da Pastoral da Dor e do Luto, onde são acolhidas e atendidas pessoas que perderam seus entes queridos. Também há o “Amor Incondicional” onde um casal dá atendimento e orientação às famílias com problemas. Aos domingos, Frei Zanini realiza um curso de programação mental. Esse curso é muito procurado, pois são inúmeros os testemunhos de pessoas que conseguiram encontrar equilíbrio em suas vidas após ter participado e aprendido as técnicas de programação.
<p>Com tanto trabalho assim, não é de se estranhar que o balancete mostrado por Erotides mostra uma curva ascendente revelando que o a arrecadação do dízimo que, no ano 2000 fechou com um dízimo de R$ 123.077,63 chegou em 2009 a R$ 606.726,81.

Então, se um dia você quiser conhecer melhor a paróquia Nossa Senhora das Mercês, em Curitiba, aproveite o segundo final de semana do mês, quando é realizado o tradicional Café do Dízimo. Após as missas, todos são recepcionados no salão paroquial onde são servidos café com leite, chocolate quente, chás e sucos acompanhados de doces, pães, bolachas, tortas e outras delícias. Se você estiver com sorte poderá, ainda, desfrutar de um show com algum “artista” da comunidade, o que torna aqueles momentos ainda mais agradáveis.