Reflexões Missionárias

Missão - Desafios missionários - Pe. João Panazzolo

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Pe. João Panazzolo foi Diretor Nacional das Pontifícias Obras Missionárias no Brasil, foi um dos principais responsáveis da organização e coordenação do COMLA 5, em Belo Horizonte – MG (1995). Tem experiência missionária em projetos Igrejas-Irmãs, de coordenação pastoral diocesana, regional e nacional e de formação presbiteral. Na entrevista fala dos grandes desafios da Dimensão Missionária no Brasil e na América Latina. Católicos: Qual é a importância da Campanha Missionária?

Pe. Panazzolo: A Campanha Missionária acontece todos os anos, no Mês de outubro, como uma coroa ou moldura ao Dia Mundial das Missões, que se celebra sempre no penúltimo Domingo. Neste ano será no dia 24. É uma jornada de fé, uma festa de catolicidade e solidariedade em favor da missão universal da Igreja.Tem os seguintes objetivos:
1.Despertar o compromisso pela evangelização universal em todos os setores do Povo de Deus: família, movimentos, associações, seminários, comunidades eclesiais de base, paróquias, Dioceses para que todos e cada cristão tomem consciência de sua vocação missionária universal
2.Promover a cooperação espiritual por meio da oração fervorosa, sacrifícios, principalmente dos doentes e idosos, e testemunho de vida. “
3.Realizar a cooperação material, como testemunho da caridade, recuperando o espírito de solidariedade e partilha fraternas das primeiras comunidades cristãs, em favor da Missão universal da Igreja.
4.Promover as vocações missionárias de presbíteros, religiosos, religiosas, catequistas e animadores leigos e leigas para a evangelização aqui e além-fronteiras.
5.Organizar missionariamente as comunidades eclesiais nos diferentes níveis: local, paroquial, diocesano, nacional e universal

Católicos: “Tornar-se próximo – a missão além-fronteiras”, por que este tema da Campanha Missionária -1999?

Pe. Panazzolo: O tema dá continuidade e completa o Tríduo de preparação ao Grande Jubileu dos 2000 anos de encarnação de Jesus, em sintonia com o Projeto evangelizador Rumo ao Novo Milênio. “Tornar-se próximo – a Missão além-fronteiras” aborda a Missão “ad gentes”, também conhecida como Missão além-fronteiras, que se dirige especialmente aos não cristãos e aos ambientes não atingidos pela mensagem explícita do evangelho. É a continuação da missão de Jesus e de seu mandato: “Ide, pois, de todas as nações fazei discípulos” (Mt 28,19). É a missão dos seguidores da proposta de Jesus, dos apaixonados pelo Reino.
Jesus tornou-se e revelou-se, para cada um de nós e para toda a humanidade, a máxima proximidade de Deus. Seu jeito de ser, de viver, de servir, proclama a ternura de Deus Pai-Mãe de todos, de todas. Jesus revela a compaixão terna de Deus sendo o bom samaritano, levantando os caídos, aliviando os que sofrem e curando as relações humana.

Cátólicos: Qual é o conteúdo principal da Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Missões deste ano de 1999?

Panazzolo: Precisamente esta: a ternura e a misericórdia de Deus Pai, revelada por Jesus, que, na força do Espírito Santo, podemos chamá-lo Pai nosso.
“O Dia Mundial das Missões, diz o Papa, constitui, cada ano para a Igreja, uma preciosa ocasião para refletir sobre sua natureza missionária e anunciar aos homens e mulheres, em todo o tempo e lugar, o amor do Pai que, em Jesus Cristo, reúne seus filhos dispersos”.
Refletindo sobre o Pai nosso, o Papa mostra, também, a urgência da missão, a dura realidade da miséria social dos povos e a convocação de todos para a missão.Para isto insiste na cooperação missionária: espiritual pela oração, sacrifícios e testemunho de vida. Pessoal pela doação da vida e promoção das vocações missionárias e material para ajudar as tantas necessidades das missões e dos missionários. Para isto, de maneira especial, todos somos convocados a realizar no Dia Mundial das Missões, dia 24 de outubro próximo.

Católicos: O QUE PODEMOS ESPERAR DO 6º CONGRESSO MISSIONÁRIO LATINO-AMERICANO (COMLA 6) E DO 1º CONGRESO AMERICANO MISSIONÁRIO (CAM 1)?

Pe. Panazzolo: Que se concretize o Tema: Jesus Cristo, vida e esperança para todos os povos. Mas que isto aconteça à luz do Tornar-se próximo da parábola do bom samaritano – retrato do próprio Jesus.
Outra grande esperança nos vem do Lema: América, com Cristo, sai de tua terra. É a mensagem para a unificação dos nossos povos, “apesar da enorme disparidade” no que diz respeito à justiça e às relações econômicas internacionais, como diz o Papa na Exortação Pós-Sinodal: Igreja na América. Na missão, na Igreja católica, planetária, universal não pode haver separação e desigualdades.
Em terceiro lugar, o objetivo geral: “Impulsionar as Igrejas da América para que anunciem Jesus Cristo, o Salvador, a todos os povos, testemunhando, servindo e dialogando”. “Aqui aparecem os amplos horizontes da missão e as exigências desta missão: testemunho, serviço, diálogo e anúncio.

Católicos: Quais são os principais desafios da Dimensão Missionária nesta virada do milênio?

Pe. Panazzolo: Por falta de espaço para aprofundar, vou apenas citar os grandes desafios: 1º. A missão “ad gentes” e além-fronteiras 2º. Missão inculturada e libertadora 3º. Missão de serviço e de diálogo 4º. Missão de alegre anúncio de Jesus Cristo e do Reino de paz 5º) Missão de testemunho e acolhida 6º. Missão de pobre para pobre 7º) Missão solidária com a Criação inteira 8º) Missão a partir da Igreja particular

Católicos: O que une e o que distingue Pastoral Missionária e a Dimensão Missionária

Pe. Panazzolo: Pastoral é o cuidado do Pastor com as 99 ovelhas do rebanho. Alimentá-las, ter cuidado e zelo com todas para que, vivendo a fé, a caridade e a esperança sejam também missionárias e ajudem o pastor a buscar a afastada e trazê-la para a comunidade, para a alegria da festa do banquete.
Este segundo aspecto é a Dimensão Missionária. É sair, é fazer com que todas as pastorais sejam missionárias. Eis o sentido da Dimensão Missionária.

Católicos: O que são as Pontifícias Obras Missionárias?

Pe. Panazzolo: São Obras que surgiram na história da Igreja para atender necessidades específicas da Missão evangelizadora. Elas infundem nos católicos, desde a infância, o sentido verdadeiramente universal e missionário, despertando a responsabilidade para o compromisso na evangelização em todo o mundo. Cooperam com a oração, sacrifícios e testemunhos de vida cristã em favor das missões. Estimulam a coleta eficaz para ajudar todas as missões, segundo a necessidade de cada uma, recuperando o espírito da solidariedade e partilha fraternas das primeiras comunidades cristãs. Suscitam vocações ad gentes e por toda a vida, tanto nas igrejas de antiga fundação como nas jovens. Organizam missionariamente as comunidades eclesiais em todos os níveis.
São obras evangelizadoras e têm por finalidade não só ajudar e colaborar com as Igrejas de Missão, mas são imprescindíveis para a educação e amadurecimento da fé dos fiéis e das comunidades eclesiais, em todos os níveis. “Se não existissem, dever-se-ia inventá-las” (Paulo VI).
Entre essas Obras destacam-se por sua universalidade, organização e objetivos, a Obra de Propagação da Fé, fundada, em 1822, por Paulina Jaricot; Infância Missionária, fundada por Dom Carlos Forbin Janson, em 1843; São Pedro Apóstolo fundada em 1889, por Joana Bigard e mais tarde a União Missionária, 1916, pelo Pe. Paulo Manna.
Pio XI, em 1922, as eleva à categoria de Pontifícias. São instituições oficiais do Papa para a animação e cooperação missionárias de todo o povo de Deus. O Concílio Vaticano II, no Decreto “Ad Gentes”, consagrou solenemente estas Obras como instrumento principal do Colégio Episcopal – do Papa e dos bispos – para a cooperação na atividade missionária universal da Igreja (AG 38). As Pontifícias Obras Missionárias são o organismo oficial da Igreja universal e de cada Igreja particular para a animação e cooperação missionária universal. Chamam-se pontifícias porque são próprias do Papa. Mas são também episcopais por estarem estreitamente ligadas aos bispos e às Igrejas particulares. As Pontifícias Obras Missionárias mantém vivo e circulante, nas comunidades eclesiais, o espírito de solidariedade e de universalismo missionário.

(*) A íntegra da Entrevista está no site da Infância Missionária da Diocese de Santo Amaro: www.infanciamissionária.com.br