• Revista Calendário do Dízimo 2018

O DOMÍNIO DAS SACRISTIAS

Quando o assunto é polêmico, a prudência nos ensina a aprofundá-lo com pés de pato. Explico melhor: esse bípede nadador navega em águas profundas com suavidade e elegância, apenas flutuando, sem maiores percalços, sem riscos à sua integridade. Vá fazer o mesmo um galo de terreiro, que muito cisca, muito canta, mas procura abrigo a qualquer trovoada, ao menor chuvisqueiro! Afunda antes de cantar três vezes. Então tá, vamos ao assunto: na sacristia, quem manda mais... O padre ou o sacristão?

A pergunta é pertinaz ao Ano do Laicato, quando a Igreja nos oferece oportunidades para refletir, analisar, debater e questionar a função do leigo no processo de evangelização, na vida da Igreja. Aos que atuam diretamente e com mais fervor nessa obra, comumente, são ironicamente taxados como “ratos de sacristia”, “papa-hóstias”, “coroinhas do padre”, ou algo assim. Basta um engajamento maior de um leigo na igreja para ser visto como um “ET” social. O próprio laicato é excludente, preconceituoso. Não aceita com naturalidade funções religiosas nos ombros de um leigo.

Por outro lado, aqueles que melhor se conscientizam sobre esse direito/dever que os ensinamentos de Cristo lhes apontam, pessoalmente, como revelação evidente de uma missão a cumprir, uma tarefa que se deve levar a termo com suas próprias capacidades ou limitações, ora, ora... deixem-nos passar, não tentem barrar seus caminhos. Leigo conscientizado de seus deveres ninguém segura, nem padre, nem bispo. A partir da sacristia, dos ministérios que recebe, da experiência de um apostolado profundo, questionador, tête-à- tête com a pessoa de Cristo, o magistério de sua Igreja, o leigo descobre a importância de sua missão. Essa descoberta não está acima da missão sacerdotal, mas também não fica abaixo desta. Ambas se equiparam em importância e exercem o mesmo poder, a mesma função. Aqui ecoa a pergunta dos discípulos: “Quem é o maior?”. E a resposta contundente: “Aquele que faz a vontade do meu Pai”. Ou então: aquele que serve.

Essa guerra surda entre ministros leigos ou eclesiásticos é uma batalha de incoerência evangélica. Exceto por sua importância ministerial e função pastoral de referência sagrada, nenhum sacerdote é o centro de uma vida comunitária ou eclesial. Bem como nenhum leigo pode tomar para si as atribuições únicas e exclusivas da função sacerdotal. Mas ambos possuem o múnus sacerdotal herdados do ministério de Cristo. Esse é o verdadeiro domínio da fé, o poder que nos foi dado a partir do batismo. Eis porque a autoridade da Igreja não vem dos conchavos de suas sacristias, mas das revelações de suas pias batismais, estas que nos inserem na vida, na ação, na função e na missão evangelizadora do único e eterno sacerdote, Cristo Jesus.

O sacristão tem a chave da Igreja. O padre, por sucessão apostólica, a chave do Céu. Mas nem o padre, nem o sacristão, nem bispos ou leigos, ninguém terá domínio sobre a Igreja ou acesso às glórias celestiais sem as chaves da tolerância, respeito e compreensão à missão que lhes compete. Cada qual no seu chão, cada um na sua vocação, recebem do Batismo a “concessão” para exercerem com autoridade um ministério de amor nesta vinha, o mundo onde Deus o colocou. Diria S. João Paulo II (Christifideles Laici): “Trabalhadores da vinha são todos os membros do povo de Deus... todos simultaneamente objeto e sujeito da comunhão da Igreja e da participação na sua missão de salvação”. Sejam estes padres, religiosos, sacristãos ou leigos. Patos ou galos.

WAGNER PEDRO MENEZES
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

0
0
0
s2smodern
powered by social2s