Reflexões

Pesquisar

Últimas Reflexões

22 Novembro 2020
09 Novembro 2020
18 Outubro 2020
29 Setembro 2020
20 Setembro 2020
14 Setembro 2020
31 Agosto 2020
23 Agosto 2020

PASSAGEM DO MAR VERMELHO

Um dos episódios mais espetaculares da História da Salvação foi a travessia do Mar Vermelho. Perseguido pelos egípcios cujo faraó arrependeu-se de haver dado sua liberdade, o povo de Deus se viu encurralado frente a um novo e intransponível desafio: o mar. De um lado o exército do faraó, do outro o mar. “Não havia porventura, túmulos no Egito, para que nos conduzisses a morrer no deserto?”, reclamavam a Moisés. A predileção divina sempre se manifesta no milagre. O Senhor agiu pelas mãos do seu profeta, Moisés. O mar se pôs a seco e seu povo alcançou a outra margem “a pé enxuto”. Não, porém, seus algozes, cobertos pelas águas em seu nível normal.

Relembro esse fato em tempo de pandemia global. E o associo a um episódio recente, quando da tragédia do navio Al Salan Boccaccio, que naufragou em 2006 nas proximidades da famosa travessia bíblica. Mil mortos, quatrocentos sobreviventes. Fez lembrar a triste sina do Titanic, o navio do qual se dizia: “Esse nem Deus afunda!”.

Sua rota, no entanto, era inversa ao da travessia libertadora dos israelitas. Vinham da Arábia Saudita para o Egito. Detalhes apenas, que em nada altera ou justifica a tragédia daqueles viajantes. A não ser que elevemos essa reflexão ao plano filosófico, deixando de lado razões históricas ou religiosas.

Por outro lado, efetivamos muitas travessias similares em nossas vidas. Algumas com o amparo de um sonho de liberdade. Outras em sentido inverso, quando a luta pela sobrevivência nos transforma em máquinas, robôs a serviço da louca competitividade entre nós, esse vai e vem constante em busca do pão, do chão. Uns vãos, outros vêm. Você que vai para o lado de lá, porque é lá que residem seus sonhos. Você que vem para cá, porque aqui estão suas raízes, as motivações de sua existência.

Isso é o existir. Exige desprendimento, locomoção, metas a serem cumpridas, encontros a somarem forças, motivos que nos motivem... Eu pra lá, você pra cá. Você que chega e o irmão que parte. A travessia do mar da vida (vermelho no Atlas e na anatomia), essa sim, todos a fazemos querendo ou não. Alguns em fuga, outros antevendo a Terra Prometida. Alguns desencantados, desiludidos, outros alimentando esperanças.

Eis que a fatalidade um dia surpreende a todos, A embarcação afunda em plena travessia. O desencanto emerge na mesma proporção e intensidade. A quem recorrer nessas horas? Em tempos de tragédia globalizada não temos a quem recorrer, senão a Deus. Comandos humanos estão abaixo das ameaças de uma tragédia, pois que também estes poderão sucumbir. Nem sempre merecemos ou entendemos o conforto de uma sobrevida ou a tragédia da morte em certas circunstâncias. Há muitos que sobreviverão para repensar suas próprias omissões. Ou repensar seus conceitos de vida.

Essa é a passagem da vida. “Os cavalos do faraó, com efeito, entraram no mar com seus carros e cavaleiros, e o Senhor os envolveu nas águas, enquanto os israelitas passaram a pé enxuto o leito do mar” (Ex 15,22). Quem agora faz parte desse povo vitorioso? Entre os soldados do faraó, com certeza, havia muitos homens de boa índole, cônscios de seus deveres e fidelidade ao rei. Entre as vítimas da tragédia atual, cristãos, muçulmanos, tementes a Deus.... A fidelidade ao Rei independe de sua religião ou crença. Porque, mesmo com o navio em chamas, o naufrágio iminente, nosso Deus é o único que poderá nos levar ao “outro lado” com os pés enxutos.

WAGNER PEDRO MENEZES
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.