Reflexões

Pesquisar

Últimas Reflexões

17 Fevereiro 2020
09 Fevereiro 2020
27 Janeiro 2020
20 Janeiro 2020
06 Janeiro 2020
30 Dezembro 2019
22 Dezembro 2019
16 Dezembro 2019
08 Dezembro 2019

O PRAZER DA VINGANÇA

Nada mais didático e atraente do que falar de prazeres. A simples menção da palavra atrai leitores. É esse o assunto mais corriqueiro, em consonância com o mundo atual, onde tudo o que se faz e se pensa visa o conforto, a satisfação, o prazer de se viver sem contratempos, sem medos, sem frustrações, sem preconceitos, sem tudo o mais que contrarie nossa vã felicidade. Isso tudo somado ao conceito de felicidade de cada indivíduo. Aqui mora o problema.

Que conceito é esse? Se a competitividade entre indivíduos se tornou o centro dos esforços pessoais para se alcançar um objetivo de vida, passamos a viver num ninho de abutres praticantes da autofagia. Devoradores da própria espécie. Dai o famoso “cada um pra si”. Nem Deus por todos. Porque nessa história a realidade de Deus está bem distante de todos. Onde impera a competição sem um mínimo de respeito ao opositor, o prazer pela vitória tem o sabor da vingança. Essa desconhece leis de moral, ética ou qualquer tipo de comportamento social. É irmã da morte, da derrocada sem piedade que se deseja para um semelhante. O prazer dessa aparente vitória é momentâneo.
Suas dores virão depois.

Um exemplo: Para um policial a caça a bandidos é sua rotina. O mundo da criminalidade cerca sua existência dia e noite. Há vitórias e derrotas. Dia da caça e do caçador. Muitos companheiros tombam nessa guerra. Muitos bandidos também. Até que um dia um cerco fatal coloca frente a frente bandidos e policiais e num desses confrontos do acaso descobrem a presença de familiares nos grupos que se digladiam. Irmãos em ambos os lados. O que fazer? Quem vai atirar primeiro? Qual o prazer dessa vingança? A situação acima é meramente ilustrativa. Mas terrivelmente real. Porque nessa guerra pela sobrevivência somos semelhantes, pra não dizer irmãos... Porque não há prazer maior do que reconhecer nossas próprias fraquezas e sorrir diante delas, abraçados uns aos outros. Utopia, dirá você. Mas é isso o que constrói nossa solidariedade, fortalece nossa dignidade, nosso espírito de fraternidade. A Bíblia é implacável nesta questão: “Aquele que quer se vingar sofrerá a vingança do Senhor” (Ecle 28,1). E continua neste capítulo em clara referência ao ridículo da vingança humana contra seus semelhantes. Por exemplo: “Um homem guarda rancor contra outro homem e pede a Deus a sua cura”? Será possível tamanha contradição? Como consolar as dores de nossa alma, as feridas da nossa carne sem compreendermos as dores e feridas de alguém que sofre as mesmas agruras ao nosso lado; alguém que temos o prazer de sobrepujar com nossa força e talentos maiores? Com certeza, seria mais prazeroso ajudá-lo a superar esses limites, pois a vitória seria de ambos.

A vingança tem a cor do pecado. Defini-la pura e simplesmente como contravenção espiritual é pouco. Porque toda ofensa a Deus é antes ofensa aos nossos semelhantes. Atinge por primeiro aqueles com os quais convivemos, para simultaneamente ferir o coração Daquele que nos fez iguais.

Iguais na fragilidade de nossa existência física e realidade espiritual, como também na dignidade de nossa semelhança divina. Imagem e semelhança...., quem diria! Então, se assim o somos, não podemos alimentar desejos de vingança. Não há prazer na contemplação da derrota, da dor, da humilhação, da morte... Isso é coisa do Demônio. “Lembra-te da aliança com o Altíssimo, e passa por cima do erro que o teu próximo cometeu inadvertidamente” (28,9). Não seja você o agente da destruição, mas o paciente da construção de uma sociedade mais humana e fraterna. Assim, só assim, o prazer de se viver será mais justo e duradouro. Assim, só assim, a vingança nunca nos dará prazer, só remorsos.

WAGNER PEDRO MENEZES
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.