Reflexões

Pesquisar

Últimas Reflexões

17 Fevereiro 2020
09 Fevereiro 2020
27 Janeiro 2020
20 Janeiro 2020
06 Janeiro 2020
30 Dezembro 2019
22 Dezembro 2019
16 Dezembro 2019
08 Dezembro 2019

UM SÓ CORPO

A solenidade de Corpus Christi é excelente oportunidade para se pensar na unidade dos cristãos. Infelizmente, ocorre exatamente o contrário. Enquanto daqui se exalta os mistérios da fé eucarística como exclusividade católica, de lá se exibe o purismo bíblico como realidade evangélica. Aqui estendemos tapetes num grito triunfal constante a ecoar em nossas ruas e avenidas. Acolá se enchem estádios, numa espécie de espetáculos circenses. Medem-se forças, não a verdade da fé cristã.

Eis a fé sem mistérios! A competitividade entre denominações cristãs nesta data se acentua ano a ano. O contrário seria muito mais produtivo, se quiséssemos realmente mostrar ao mundo a beleza dos ensinamentos cristãos. Senão, vejamos o significado primeiro da verdadeira comunhão, cerne do mistério eucarístico. O mais expressivo desejo de Cristo, em sua agonia na perspectiva do calvário, foi exatamente a questão da unidade. Ah, que todos sejam um, como o Pai e eu, disse quase num desalento. Nesse desabafo do Mestre encontramos não só um desejo, um sonho... Sua capacidade de olhar os fatos e conhecer os meandros da realidade tinha ali um quê de decepção. Jesus antevia as divisões que maculariam o testemunho do povo eleito.

Como, então, reverter essa história? Compreendendo a simplicidade desse mistério. O alimento que nos deixou Jesus foi sua vida, para celebrar “a nova aliança em meu sangue, que é derramado por vós...” (Lc 22,20). O alimento gera a vida. Quando ingerimos um alimento, ele se torna parte do nosso organismo, da nossa vida. Mas se este alimento não for saudável, o próprio organismo se encarrega de expulsá-lo, rejeitá-lo através do vômito ou mesmo da evacuação fecal. A natureza age com simplicidade, não complica na ação de constante transformação que o corpo sadio processa diariamente. Tudo o que entra pela boca humana terá uma função vital na manutenção da saúde e da vitalidade do indivíduo ou, se tóxico e inadequado, na rejeição deste.

Se assim acontece no campo biológico, como seria no campo espiritual ou mesmo intelectual? Quando Jesus afirmou ser “o pão da vida”, referia-se exatamente a esse mistério da unidade eucarística. Sua presença física entre nós, por si só, já era um grande mistério, “o pão vivo que desceu dos céus”, o novo maná que dava vida ao mundo. Agora, quando pronunciava seus adeuses e despedidas naquela “noite traiçoeira” da vingança humana sobre sua doutrina, o Mestre ansiava pela unidade “daqueles que o Pai me dera”. Como alimento Ele se oferecia. Como fonte da vida se apresentava aos seus. Mesmo assim, naquela mesa nem todos compreenderam o mistério de suas revelações. Alguém discordava. “Eis que a mão de quem me trai está à mesa comigo”, disse Jesus, denunciando divergências em seu colégio apostólico. A traição de Judas minou e destruiu o princípio de unidade naquela mesa...

Por essa e outras é que temo pelas divergências na caminhada cristã. Em especial dentro do seu Corpo Místico, a Igreja. Negar o princípio eucarístico é, mais uma vez, negar Cristo e sua verdade. É entregá-lo aos algozes deste mundo. Um alimento foi, é e sempre será sinônimo de vida. Quando Jesus se apresentou como tal, fez-se fonte de nova vida, tornou-se “principio e fim” da plenitude de vida que a humanidade deseja. Por essa e outras é que nossa falta de unidade ainda é “escândalo para o mundo” e por essa vergonha muitos padecem. Morremos espiritualmente conquanto temos à nossa frente, bem às fuças da nossa ignorância evangélica, uma mesa posta, farta, riquíssima e bela, para saciar a fome de vida, da verdadeira vida com a qual sonhamos. A mesa da unidade cristã é a tábua da salvação deste mundo famélico. Ali o pão da vida sacia a fome de Deus que temos.

WAGNER PEDRO MENEZES
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.