Reflexões

Pesquisar

Últimas Reflexões

14 Janeiro 2019
07 Janeiro 2019
30 Dezembro 2018
24 Dezembro 2018
17 Dezembro 2018
09 Dezembro 2018
03 Dezembro 2018
26 Novembro 2018
19 Novembro 2018

SANTIDADE EM SUA ESSÊNCIA

Você já se imaginou santo? Pois o terceiro capítulo da exortação Gaudete et Exsultate, do Papa Francisco, nos facilita essa possibilidade, aspiração de qualquer bom cristão. Aponta-nos oito condições, seguindo somente as pistas que nos deixou Jesus em seus ensinamentos. “Jesus explicou, com toda a simplicidade, o que é ser santo” (63) em seu sermão sobre as bem-aventuranças. “A palavra feliz ou bem-aventurado torna-se sinônimo de santo, porque expressa que a pessoa é fiel a Deus” (64), clareia o santo padre.

“Voltemos a escutar Jesus... Permitamos-Lhe que nos fustigue com as suas palavras” (66). Começa exaltando os pobres em espírito. Não somente os da matéria, do vil dinheiro, mas principalmente e em especial “os de espírito”. Lembra-nos que “as riquezas não dão segurança alguma” (68) e que “esta pobreza está intimamente ligada à santa indiferença proposta por Santo Inácio de Loyola, na qual alcançamos uma estupenda liberdade interior” (69). Ela que nos liberta de uma vida atrelada apenas à matéria e não às riquezas de uma vida mais afeita aos planos de Deus, nossa maior graça. Temos que configurar nossas vidas à de Jesus “que, sendo rico, Se fez pobre” (70).

Felizes também os mansos. “É uma frase forte, neste mundo que, desde o início, é um lugar de inimizade” (71). A mansidão aqui proposta não é a da subserviência, da humildade oposta à dignidade de nossas vidas, da tolerância com a injustiça, a guerra, os desvios que o mundo nos propõe. Lembra-nos a afirmativa de Cristo: Aprendei de Mim, porque sou manso e humilde e encontrareis descanso para o vosso espírito (Mt 11,29). E acrescenta: “É melhor sermos sempre mansos, porque assim se realizarão as nossas maiores aspirações: os mansos possuirão a terra, isto é, verão as promessas...” (74).

E os que choram? “O mundo não quer chorar: prefere ignorar as situações dolorosas, cobrí-las, escondê-las. Gastam-se muitas energias para escapar das situações onde está presente o sofrimento” (75). Deveras, para muitos é mais discreto chorar às escondidas ou irritar-se com o lamento do outro, do que enxugar suas lágrimas. A indiferença é nosso grande pecado social.

Mas há também os que têm fome e sede de justiça. A estes está reservada a saciedade da Providência, “porque a justiça, mais cedo ou mais tarde, chega e nós podemos colaborar para a tornar possível” (77) Aponta-nos um diferencial que não nos pode fugir: Justiça perfeita só a de Deus. Porque “a justiça que Jesus propõe não é como a que o mundo procura, uma justiça muitas vezes manchada por interesses, manipulada para um lado ou para o outro” (78).

Felizes ainda os misericordiosos. Antes é preciso mergulhar fundo num modelo perfeito de misericórdia. Não aquela da piedade, do clamor, do apenas “servir os outros, mas também perdoar, compreender” (80). A misericórdia é faculdade divina, que também podemos e devemos praticar. “Dar e perdoar é tentar reproduzir na nossa vida um pequeno reflexo da perfeição de Deus.” (81).

Porém, felizes também os puros de coração. “Na Bíblia, o coração significa as nossas verdadeiras intenções, o que realmente buscamos e desejamos, para além do que aparentamos” (83). Felizes ainda os pacificadores. Lembra-nos o conflito constante em nossa vida pessoal, social, entre raças e povos, a guerra enfim. “O mundo das murmurações, feito por pessoas que se dedicam a criticar e destruir, não constrói a paz” (87). Felizes, enfim, os que sofrem perseguição por causa da justiça. “O próprio Jesus sublinha que este caminho vai contracorrente, a ponto de nos transformar em pessoas que questionam a sociedade com a sua vida, pessoas que incomodam” (90).

Em sua conclusão a este capítulo, o Papa nos lembra algumas regras de comportamento, tais quais a fidelidade ao Mestre, o cuidado com as ideologias, os cultos individuais, sem prática, o perigo do consumismo. Torna viável a santidade nos tempos atuais. Mas lembra: “A força do testemunho dos santos consiste em viver as bem-aventuranças” (109). Simples assim.

WAGNER PEDRO MENEZES
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.